Ex-sindicalista ganha a prefeitura de Bogotá

Luis Eduardo Gárzon trabalhou desde os 10 anos carregando tacos de golfe para os mais ricos de Bogotá, ficou com as mãos calejadas como aprendiz de carpinteiro para ajudar sua mãe, dirigiu a principal central sindical do país e agora se tornou o prefeito da capital colombiana, num triunfo inédito para a esquerda do país.Com um discurso conciliador, mas também recordando os milhares de esquerdistas que foram assassinados pela extrema direita, esse filho de uma empregada doméstica prometeu que governará para todos. "Ninguém deve temer esta prefeitura", disse Garzón diante uma multidão de eufóricos seguidores vestidos de amarelo que dançavam sem parar ao som de um grupo de salsa cujo vocalista é, agora, um vereador.A vitória de Garzón amplia o espectro na política colombiana e oferece uma lição aos radicais. "As Farc devem receber esse triunfo como um sinal de alerta, porque o projeto político que favorece as causas sociais tem um espaço na democracia", considerou o historiador Arturo Alape, biógrafo de Manuel Marulanda, "Tirofijo" (Tiro Certeiro), chefe da guerrilha.Também é uma mensagem ao chamado "unanimismo" (derivação de unanimidade) que ocorria no país com o governo do presidente Alvaro Uribe, um direitista. Uribe, que tem um índice de popularidade de 70%, sofreu uma forte derrota neste fim de semana, com a rejeição do referendo que promovia e vendo o triunfo de vários opositores em importantes prefeituras e governos estaduais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.