AFP PHOTO / US ARMY
AFP PHOTO / US ARMY

Ex-soldado americano capturado pelos taleban será julgado por deserção

Bowe Bergdahl, de 29 anos, pode ser condenado à prisão perpétua se for considerado culpado por acusações de ‘má conduta diante do inimigo’

O Estado de S. Paulo

15 de dezembro de 2015 | 11h29

AUSTIN - Após passar cinco anos como prisioneiro dos taleban no Afeganistão até ser trocado por cinco detentos de Guantánamo, o ex-soldado americano Bowe Bergdahl será julgado por deserção em uma corte marcial dos Estados Unidos, informaram seu advogado e o Pentágono na segunda-feira.

Bowe Bergdahl, de 29 anos, será julgado em um processo "perante uma corte marcial", afirmou o advogado da defesa, Eugene Fidell, em um comunicado.

O ex-soldado pode ser condenado à prisão perpétua se for considerado culpado pelas acusações de "deserção" e "má conduta diante do inimigo, colocando em perigo a cadeia de comando, um batalhão, ou um lugar", declarou o Exército americano, em um comunicado.

A data da audiência ainda não foi divulgada. O julgamento será realizado na base de Fort Bragg, na Carolina do Norte (sudeste). "Esperava que este caso não tomasse esse caminho", reagiu Fidell.

Único soldado capturado pelos rebeldes durante a guerra no Afeganistão, Bergdahl foi detido por membros da rede Haqqani, ligada aos taleban, depois de ter sido dado como desaparecido de seu posto no leste do Afeganistão, próximo à fronteira com o Paquistão, em junho de 2009.

Uma investigação foi aberta para determinar as circunstâncias de seu sequestro. Alguns soldados que estavam com ele afirmaram que Bergdahl abandonou seu posto voluntariamente e colocou em risco os militares que foram procurá-lo. Fidell disse que Bergdahl se tornou um bode expiatório dos opositores do fechamento de Guantánamo. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.