Ex-vice de Saddam diz que invasão foi 'crime horrivel'

Um homem que alega ser Izzat Ibrahim al-Douri, um dos membros mais importantes do regime de Saddam Hussein (morto em 2006), disse que a invasão americana em Bagdá foi um meio de subjugar o Iraque ao Irã. Para ele, a ação se tratou de um plano imperialista dos Estados Unidos, Irã e Israel e é um "crime horrível na história da América". Ibrahim, que foi vice-primeiro-ministro de Saddam, está foragido e não é visto desde 2003, tendo sido declarado morto ou capturado mais de uma vez, no passado. Fontes afirmam, contudo, que ele vive no Catar, onde costuma criticar o atual governo iraquiano controlado pelos xiitas.

AE, Agência Estado

02 de outubro de 2012 | 15h09

A declaração foi dada em entrevista ao jornal eletrônico egípcio Al-Ahram, publicada nesta semana. A conversa também foi veiculada no site do Baath, partido político de Saddam, atualmente proscrito no Iraque. Em Bagdá, o porta-voz do primeiro ministro xiita, Nouri al-Maliki, definiu a declaração como "propaganda sem nenhum valor".

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.