Exame prova que havia ricina em carta para senador

O chefe policial do Senado dos Estados Unidos disse que um laboratório privado confirmou a presença de ricina numa carta enviada para um dos membros da casa do Legislativo. Terrance Gainer, sargento de armas do Senado, disse nesta quinta-feira que um testes realizados em laboratório indicaram a presença da substância tóxica.

Agência Estado

18 de abril de 2013 | 13h28

Ele disse que a ricina foi encontrada na terça-feira numa instalação de processamento de correspondências nas proximidades de Washington. Na quarta-feira, o FBI deteve Kevin Curtis, do Mississippi, sob suspeita de ter enviado uma carta para o senador republicano Roger Wicker e outra para o presidente Barack Obama. Curtis deve comparecer a um tribunal federal ainda nesta quinta-feira.

Comunicado do Pentágono, divulgado também nesta quinta-feira, diz que uma substância suspeita foi encontrada no interior de um prédio da Marinha dos Estados Unidos em Washington

"Uma substância suspeita foi encontrada na sala de correspondência do prédio 12 da Instalação de Apoio Naval", em Arlington, Virginia, subúrbio de Washington. Todas as pessoas foram retiradas do prédio como precaução, diz o documento. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAricinacartasenador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.