Executivo chinês é condenado à morte por corrupção

Wang Weigong foi considerado culpado por aceitar subornos em caso envolvendo fundos de previdência

Efe,

20 de abril de 2009 | 04h47

O ex-membro do Partido Comunista da China (PCCh) e ex-subdiretor-general do grupo energético estatal Shenergy, Wang Weigong, foi condenado à morte com uma suspensão de dois anos por aceitar subornos no maior escândalo de corrupção da última década na China.

 

Segundo informou nesta segunda-feira, 20, a imprensa local, Wang é o último de mais de 20 líderes políticos e empresariais condenados pelo escândalo de corrupção que representa o desvio de 3,2 bilhões de iuanes (US$ 468 milhões) dos fundos de previdência da cidade de Xangai.

 

Segundo um tribunal da província de Jilin, no nordeste do país, onde muitos dos implicados foram julgados para evitar suas influências nos tribunais locais, Wang aceitou subornos no valor de 12,9 milhões de iuanes (US$ 1,8 milhões) entre 1995 e 2006, quando se descobriu o escândalo.

 

A condenação à morte foi suspensa durante dois anos porque, de acordo com a sentença, Wang cooperou com as autoridades e devolveu todo o dinheiro obtido dos subornos.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinacorrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.