Executivo da Irlanda do Norte ainda não está definido

O líder do majoritário Partido Democrático Unionista (DUP), o reverendo Ian Paisley, disse nesta sexta-feira que aceita o posto de principal ministro do futuro Executivo norte-irlandês desde que o Sinn Fein, braço político do IRA e segundo maior partido da província, aceite a autoridade da Polícia do Ulster. Paisley comunicou à Assembléia norte-irlandesa que só contemplará a possibilidade de formar um governo de poder partilhado com o Sinn Fein quando os republicanos cumprirem com suas obrigações. O presidente do Sinn Fein, Gerry Adams, apresentou seu "número dois", Martin McGuinness, como o candidato do partido ao posto de vice-ministro principal durante sessão da Assembléia norte-irlandesa, que foi suspensa depois que um militante extremista invadiu o prédio alegando ter explosivos na mochila. Os serviços de segurança do edifício conseguiram deter o protestante Michael Stone, que tentou entrar na Assembléia gritando e levando, segundo ele, uma bomba. Em seu discurso, o reverendo lembrou hoje que os "dois pilares" do plano de paz apresentado por Londres e Dublin em outubro na Escócia, conhecido como o acordo de Saint Andrews, são o respeito do conceito de poder partilhado e o império da lei. "Claramente - disse Paisley -, se o Sinn Fein não está preparado para dar o passo decisivo com relação ao assunto da Polícia, o DUP não está obrigado a se comprometer em compartilhar o poder antes de ter essa certeza". Por esse motivo, o reverendo assegurou que "não existem as circunstâncias" para apresentar hoje sua candidatura à chefia do futuro Executivo autônomo norte-irlandês. Diante das dúvidas geradas pelas conseqüências que terá a resposta de Paisley, a presidente da Assembléia, Eileen Bell, afirmou que será o ministro britânico para Ulster, Peter Hain, que vai decidir se continua adiante com o calendário do acordo de Saint Andrews. O objetivo do plano de paz é restaurar a autonomia da província em 26 de março de 2007, logo após as eleições que acontecem no mesmo mês. Antes, o Sinn Fein deve convocar uma conferência especial do partido para modificar seus estatutos e reconhecer a autoridade da Polícia norte-irlandesa (PSNI), tal e como exigem os unionistas. Adams enfrentou mais dificuldades do que esperava para convencer os setores mais duros do partido da necessidade de se pronunciar sobre o assunto da Polícia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.