Exército admite mentira sobre barreiras na Cisjordânia

O Exército israelense reconheceu que não existiam os 44 obstáculos que informou ter retirado, por ordem do governo, de estradas da Cisjordânia para favorecer o movimento dos aldeães palestinos do território ocupado.As autoridades militares anunciaram na semana passada ter retirado esses obstáculos de terra que cortavam a passagem em algumas estradas que ligam as aldeias palestinas, segundo uma promessa feita pelo primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, ao presidente palestino, Mahmoud Abbas, com quem se reuniu em dezembro passado. Uma fonte militar citada nesta segunda-feira pelo jornal Ha´aretz admitiu que, na realidade, esses obstáculos "foram desmontados antes da decisão que o governo aprovou ou eram destruídos pelos palestinos e não foram reconstruídos".Este testemunho confirma a informação fornecida por Organizações dependentes da ONU que operam na Cisjordânia e que alegaram então que as barreiras não foram retiradas, pois, simplesmente, a maioria dela não existia há meses.O escritório do porta-voz das Forças Armadas replicou dizendo que o Exército "retirou recentemente 44 barreiras em um esforço para facilitar o movimento da população palestina em Judéia e Samaria (Cisjordânia)".Nos últimos anos, o Exército construiu cerca de 400 desses obstáculos, barreiras e postos de controle militar em estradas e rotas da Cisjordânia sob o argumento de que são imprescindíveis para impedir a passagem de terroristas e evitar ataques suicidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.