Associated Press
Associated Press

Exército chinês proíbe seus soldados de usarem redes sociais e blogs

Decreto diz que esta prática é 'uma ameaça para a integridade de segredos militares'

Efe,

31 de maio de 2011 | 03h26

PEQUIM - O Exército de Libertação Popular (PLA) da China, o maior do mundo, emitiu um decreto proibindo seus mais de dois milhões de soldados de "fazer amigos, 'blogar', procurar namoro ou trabalho na internet", destacou o diário oficial China Daily nesta terça-feira, 31.

 

O decreto, redigido pelo Estado-Maior e o Departamento Político das Forças Armadas, procura proibir todos os militares de "socializar na rede", já que considera esta prática "uma ameaça para a integridade de segredos militares", assinalou a informação, também publicada pelo "PLA Daily".

 

Segundo o diário militar, estas atividades "tiveram um efeito ruim nas vidas dos soldados e em seus treinamentos".

 

A China é o país com o maior número de internautas do mundo (em torno de 480 milhões), e ao mesmo tempo é um dos que exerce maior censura sobre os conteúdos da rede.

 

Alguns dos sites mais populares do mundo, como YouTube, Twitter e Facebook, são bloqueados em território chinês, embora alguns usuários possam acessá-los na China graças a "truques".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.