Exército da Colômbia resgata oficiais em poder das Farc há mais de 11 anos

O general Luis Mendieta Ovalle, até então o militar de maior patente em poder da guerrilha, o coronel Luis Enrique Murillo e o sargento Arbey Argote foram soltos em operação no Departamento de Guaviare, 330 quilômetros ao sudoeste de Bogotá

Reuters e Ap, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2010 | 00h00

Paramentado. Com um chapéu típico, Uribe revelou em Quibdo a libertação dos militares

   BOGOTÁ

O Exército colombiano resgatou ontem três oficiais que permaneceram 11 anos e sete meses como reféns das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). A libertação ocorreu na selva do Departamento de Guaviare, 330 quilômetros ao sudeste de Bogotá. A ação se deu a uma semana da eleição de domingo, na qual o candidato de Álvaro Uribe, Juan Manuel dos Santos, é franco favorito.

O último resgate armado de reféns ocorrera em 2 de julho de 2008, quando militares libertaram a ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt, 3 americanos e 11 policiais e militares.

Um dos reféns libertados ontem, o general Luis Mendieta Ovalle, era o militar com a mais alta patente em poder dos guerrilheiros, bem como o oficial mais antigo da polícia, que na Colômbia faz parte das Forças Armadas. Os outros reféns soltos são o coronel Luis Enrique Murillo e o sargento Arbey Argote.

O resgate foi anunciado por Uribe numa reunião do governo em Quibdó, no noroeste do país. "O comando das Forças Armadas acaba de resgatar o general Mendieta e o coronel Murillo. É uma operação muito difícil, que organizamos há meses. O combate segue para libertarmos mais pessoas", disse ontem à tarde Uribe. O presidente felicitou por telefone a mãe de Murillo, Robertina Sánchez, e a esposa de Mendieta, María Teresa Paredes. "Sou a mulher mais feliz do mundo. Deus ouviu nossas orações", disse a mulher do general à Rádio Caracol. Horas antes, a irmã de Mendieta, Yolanda, havia criticado Uribe: "Não entendemos como o governo permite que mantenham um general na selva", disse.

Justamente no dia de sua libertação Mendieta completou 53 anos, 11 dos quais passou como refém das Farc. Ele era tenente-coronel quando foi capturado pela guerrilha, em 1.º de novembro de 1998, num ataque a um posto de polícia em Mitú (mais informações nesta página), 570 quilômetros a sudoeste de Bogotá. Na ocasião, também foi sequestrado o coronel Murillo. Casado e com dois filhos, Mendieta foi promovido a general em maio de 2009. Oficiais em poder das Farc têm o período na selva contado como tempo de serviço. "Os libertados estão vivos e sem problemas. Não têm ferimentos. As tropas estão em combate", afirmou o general Javier Flórez, que participou do resgate.

As Farc ainda mantêm em cativeiro pelo menos 20 militares. Em março, depois de soltar Pablo Emilio Moncayo e Josué Daniel Calvo, os guerrilheiros garantiram que aquelas seriam as últimas libertações unilaterais até que o governo aceite uma troca de reféns por rebeldes presos. O governo de Uribe, que termina no dia 7 de agosto, nega-se a negociar o intercâmbio.

Ex-ministro de Defesa de Uribe, o candidato Santos esteve à frente da operação de resgate de Ingrid. Ele promete seguir a linha dura contra a guerrilha, mas ampliar o foco para ações sociais. Na última pesquisa, do instituto Gallup, Santos aparece com 66,5% das intenções de votos, contra 27,4% do candidato do Partido Verde, Antanas Mockus.

Para lembrar

Em 1.º de novembro de 1998, 1.500 guerrilheiros das frentes 1 e 7 das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) atacaram o comando da polícia de Mitú, capital do Departamento de Vaupés, perto da fronteira com o Brasil. A cidade, situada 570 quilômetros a sudoeste de Bogotá, foi severamente destruída na ofensiva dos rebeldes, que usaram metralhadoras, fuzis e foguetes caseiros montados com botijões de gás cheios de dinamite. A ação terminou com 31 mortos e 61 policiais sequestrados, entre eles Luis Mendieta Ovalle e Luis Enrique Murillo, libertados ontem após 4.242 dias de cativeiro. O Exército colombiano só retomou Mitú três dias depois do ataque.

Pontos chave

Sequestro em massa

O então tenente-coronel Luis Mendieta Ovalle (foto) é um dos 61 policiais sequestrados pela guerrilha em um ataque a um posto policial em Mitú, na fronteira com o Brasil

Solução negociada

Com a intermediação da senadora colombiana Piedad Córdoba e do presidente venezuelano, Hugo Chávez, em fevereiro de 2008 é libertado o senador Jorge Géchen, após seis anos de cativeiro. Outros reféns são soltos graças à relação de confiança das Farc com a senadora e a Venezuela

Resgate polêmico

Militares usam um helicóptero, em julho de 2008, com o símbolo da Cruz Vermelha para enganar a guerrilha e soltar a ex-candidata Ingrid Betancourt (foto), 3 americanos e 11 militares

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.