Exército da Colômbia se declara pronto para responder às Farc

Líder da guerrilha, Manuel Marulanda, prometeu intensificar as ações ofensivas em 2008

REUTERS

04 de janeiro de 2008 | 10h06

O Exército da Colômbia anunciou que estápreparado para enfrentar a ameaça de ofensiva geral declaradapelo principal líder da maior força guerrilheira de esquerda, oque supõe uma intensificação do conflito interno no país. O líder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia(Farc), Manuel Marulanda, ordenou a seus 17.000 combatentes queintensifiquem as ações ofensivas nas cidades, povoados,montanhas e selvas do país durante 2008. "A escola de 5 anos enfrentando o Plano Patriota foisuficiente para os guerrilheiros aprenderem como e de quemaneira o inimigo atua em seus deslocamentos e operações comseus aviões de reconhecimento, bombardeio, helicópteros,satélites, de dia e de noite", disse Marulanda numa cartadivulgada pela Agência Bolivariana de Imprensa. O Plano Patriota é a maior ofensiva realizada pelo governoda Colômbia, com apoio dos Estados Unidos, contra a guerrilhana história do país. "É conveniente aproveitar a crise geral que atravessa ogoverno e o cansaço refletido em algumas unidades militarespara começar a preparar as condições para organizar umaofensiva geral", acrescentou o líder guerrilheiro. O comandante do Exército da Colômbia, general MarioMontoya, respondeu, entretanto, que sua força está pronta pararesponder às Farc, que surgiram em 1964 e lutam para tomar opoder colombiano através das armas e instaurar um sistemasocialista. "Estamos prontos, eles estão dizendo isso há 40 anos",disse Montoya ao ser consultado pela Reuters sobre a ameaça dolíder rebelde de uma ofensiva geral. Montoya lembrou que anualmente as Farc ameaçam intensificarsuas ações e falam de "ofensiva final para tomar o poder", oque nunca conseguiram realizar. As Farc são consideradas uma organização terrorista pelosEUA e a União Européia, e o governo colombiano acusa o grupo dereceber dinheiro do tráfico de drogas. Sob o atual presidente Alvaro Uribe, com ajuda dos EUA, ogoverno colombiano aumentou seu efetivo militar e recuperou ocontrole de extensas áreas nas selvas e montanhas que eramdominadas pelos paramilitares. (Reportagem de Luis Jaime Acosta)

Tudo o que sabemos sobre:
PEDROCOLOMBIAEXERCITORESPOSTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.