Exército da Coreia do Norte apoia sucessão de Kim Jong-il

Kim Jong-un, filho do líder norte-coreano, é nomeado delegado para reunião do Partido Comunista

Agência Estado

27 de setembro de 2010 | 13h33

SEUL - O poderoso Exército da Coreia do Norte nomeou o filho mais novo do líder Kim Jong-il como delegado para um histórico encontro partidário que será realizado nesta semana. A conferência do Partido Comunista, marcada para começar na terça-feira, 27, deve abrir o caminho para uma eventual transferência de poder do atual líder norte-coreano, que está com 68 anos, para seu filho mais novo, Kim Jong-un.

 

Segundo o jornal sul-coreano Chosun Ilbo, que cita uma fonte norte-coreana, no dia 25 de agosto o Exército elegeu pai e filho delegados para o encontro. Apenas a eleição de Kim foi tornada pública, "mas muitas autoridades graduadas estão cientes da escolha de Kim Jong-un", disse a fonte ao diário. O Serviço Nacional de Inteligência em Seul não confirmou a informação.

 

A conferência será a primeira grande reunião do Partido dos Trabalhadores (como também é conhecido o Partido Comunista norte-coreano) desde 1980, quando Kim Jong-il foi publicamente confirmado como eventual sucessor de seu pai, o fundador da Coreia do Norte, Kim Il-sung, que morreu em 1994. A reunião do partido havia sido marcada para o início de setembro, mas foi adiada sem explicações.

 

Kim Jong-il sofreu um acidente vascular cerebral dois anos atrás e tem problemas renais, tornando premente a necessidade de nomear um sucessor. Alguns analistas acreditam que o filho já esteja ativamente envolvido com o governo. Cheong Seong-chang, do Instituo sul-coreano Sejong, afirmou que desde o verão passado, relatórios oficiais têm sido repassados a Kim Jong-il por meio de seu filho.

 

Analistas esperam que Kim Jong-un, que estudou na Suíça, receba um cargo de influência no partido - provavelmente como membro do comitê central - na reunião desta semana. Mas eles não estão certos sobre se a informação será anunciada publicamente. O encontro será realizado em meio à fortes tensões regionais, resultado do afundamento de um navio de guerra norte-coreano em março. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.