Exército da Nigéria resgata 234 mulheres do grupo extremista Boko Haram

O Exército da Nigéria afirmou ter resgatado 234 meninas e mulheres na Floresta de Sambisa, reduto do grupo extremista Boko Haram, no nordeste do país. Com o anúncio, o número de mulheres declaradas resgatadas já chega a 677. O Exército começa a usar soldados em terra na região, após semanas de ataques aéreos.

Estadão Conteúdo

02 de maio de 2015 | 08h21

O Exército do país afirmou que médicos e equipes de inteligência foram levados ao local do resgate para ajudar as mulheres a descobrir suas identidades. O porta-voz do Exército, Sani Usman, afirmou que a maioria estava traumatizada. Ainda não foi feito nenhum comunicado sobre se algumas das vítimas pertence ao grupo de meninas estudantes que foram sequestradas da escola Chibok há um ano, um sequestro em massa que chocou o mundo.

O presidente Goodluck Jonathan, cujo mandato será encerrado neste mês, afirmou na quinta-feira que a floresta é o último reduto dos militantes islâmicos, e alegou que irá "entregar a Nigéria livre de campos de terroristas."

Não se sabe quantas mulheres, crianças e homens foram sequestrados pelo Boko Haram em quase seis anos de rebelião. O Exército do país apenas registrou o resgate de mulheres e meninas.

Segundo a agência de notícias Associated Press, algumas mulheres foram mortas durante os resgates, uma vez que integrantes do Boko Haram as usavam como escudo humano nos embates.

O grupo extremista ainda ataca áreas isoladas da Nigéria. O governador de uma província próxima do Níger pediu que os residentes de Lake Chad fossem evacuados até segunda-feira, quando as tropas devem realizar ações para retirar os militantes de esconderijos. Em um ataque do Boko Haram na semana passada em Lake Chad, foram mortos 156 militantes, 46 soldados do Níger e 28 civis, segundo o governo do Níger.

Como os extremistas começaram a realizar ações em outros países, uma força multinacional, constituída pela Nigéria e países vizinhos, foi criada em janeiro e conseguiu retomar o controle de cidades e vilas onde o Boko Haram havia declarado um califado islâmico. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
NigériaBoko Haramexército

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.