Exército da Salvação é investigado por 'alugar' crianças para pedófilos

Comissão investiga gestão da organização na Austrália entre 1966 e 1977 após denúncias

O Estado de S. Paulo,

30 de janeiro de 2014 | 14h51

SYDNEY - Crianças aos cuidados da organização australiana "Exército da Salvação" foram "alugadas" para pedófilos, segundo denunciou nesta quinta-feira, 30, uma testemunha perante a comissão que investiga os abusos sexuais de menores cometidos em instituições do país.

A comissão, que analisa a gestão do Exército de Salvação entre 1966 e 1977, se concentrou no abrigo de Bexley, no subúrbio de Sydney, onde a polícia investiga supostos abusos a menores desde 1990.

O inspetor Rick Cunningham explicou o caso de um menor, identificado como F.V., que em 1974 denunciou à polícia ter sido apresentado a um casal - a mulher vestida com o uniforme da organização - pelo superintendente de Bexley, Lawrence Wilson. Segundo Cunningham, o casal levou a criança e a estupraram.

F.V. denunciou a agressão a Wilson, que ignorou a queixa e castigou várias vezes o menor como represália, declarou Cunningham, segundo informou a rede ABC. As provas dadas por F.V. resultaram em uma acusação contra Wilson por sodomia, agressão comum e ataque indecente. Ele foi desculpado das acusações em 1997, 11 anos antes de morrer.

A comissão também acusou trabalhadores da organização e internos mais velhos de abusar sexualmente de internos mais jovens.

A criação desta comissão foi anunciada em novembro de 2012 depois que a polícia de Nova Gales do Sul acusou a Igreja Católica de encobrir casos de pedofilia supostamente organizados, tentar silenciar as investigações e destruir provas cruciais para evitar processos judiciais.

A comissão, formada por seis pessoas, começou as audiências em abril e deverá emitir um relatório no final de junho, antes de concluir seu trabalho em dezembro de 2014./ EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.