Zohra Bensemra/Reuters
Zohra Bensemra/Reuters

Exército da Síria ganha terreno no aniversário da revolta contra Assad

Forças Armadas do regime intensificam ofensiva e retomam cidade de Idlib, no noroeste sírio

Reuters

15 de março de 2012 | 09h20

BEIRUTE - A rebelião contra o presidente da Síria, Bashar al-Assad, completa um ano nesta quinta-feira, 15, dia marcado por novos avanços dos militares numa crise que é cada vez mais sangrenta e não tem perspectiva de solução diplomática à vista.

 

Veja também:
especialMAPA: 
A revolta que abalou o Oriente Médio
mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO: Imagens da revolução
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe 

 

A imprensa oficial anunciou que as forças do governo expulsaram os "terroristas armados" da cidade de Idlib, no noroeste do país, e que partidários de Assad fariam manifestações em toda a Síria. Mas os adversários do regime não dão sinais de recuo, e houve relatos de continuados confrontos nas regiões ao redor de Idlib e de Homs, no centro do país, que recentemente passou semanas sob um violento cerco militar.

Em meio a sombrios alertas de que a Síria está mergulhando em uma guerra civil, o enviado especial da ONU e da Liga Árabe, Kofi Annan, pediu mais esclarecimentos a Damasco na sua resposta a uma proposta de paz levada por ele no fim de semana. A Síria diz ter reagido de forma "positiva" à abordagem de Annan, mas um diplomata ocidental de alto escalão na região afirmou que Damasco, na prática, rejeitou as ideias de Annan.

O enviado internacional deve se reportar na sexta-feira ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas, onde Rússia e China irritam as potências ocidentais por manterem o apoio a Assad, barrando qualquer iniciativa internacional para tentar conter o derramamento de sangue.

A ONU estima que mais de 8 mil pessoas, a maioria civis, tenham morrido em um ano de confrontos. Cerca de 230 mil sírios foram deslocados das suas casas, sendo que 30 mil foram para o exterior, abrindo a possibilidade de uma crise de refugiados. A Turquia disse ter recebido mil cidadãos sírios nas últimas 24 horas, elevando o total registrado a cerca de 14 mil.

Ofensiva

Com a aproximação do aniversário da rebelião, o Exército sírio pareceu intensificar sua ofensiva contra os redutos rebeldes, recuperando o controle de Homs e despachando tanques para Deraa, o berço da rebelião, no sul.

Os militares também têm castigado Idlib com artilharia antes de enviar soldados para ocupar a cidade, um bastião do Exército Sírio Livre, uma desconjuntada coleção de militantes levemente armados sob o comando de militares desertores.

"A segurança e a paz de espírito retornaram à cidade de Idlib depois de as autoridades limparem seus bairros dos grupos terroristas armados que vinham aterrorizando os cidadãos", disse a agência estatal de notícias Sana nesta quinta-feira.

Mas o Observatório Sírio de Direitos Humanos, com sede na Grã-Bretanha, afirmou que ainda há bolsões de resistência em Idlib. "O Exército tem o controle das principais ruas, mas não dos becos e ruas transversais", disse Rami Abdulrahman, cujas informações se baseiam em uma rede de moradores sírios.

Por causa das restrições impostas pelo governo ao trabalho da imprensa e de entidades de direitos humanos, não é possível verificar de forma independente os relatos que chegam do país.

A televisão estatal anunciou uma "Marcha Global pela Síria" para homenagear as vítimas da rebelião. Uma multidão apareceu se reunindo numa praça central de Damasco. O governo atribui o caos no país a "terroristas" patrocinados pelo exterior e diz que 2 mil soldados e policiais já morreram no conflito. 

Primavera árabe 

No começo de 2011, Assad previa, em tom confiante, que a Síria estaria imune às revoltas da Primavera Árabe, que acabariam por derrubar os governantes autocratas de Tunísia, Egito, Líbia e Iêmen.

Mas, em 15 de março, algumas dezenas de manifestantes saíram às ruas de Damasco pedindo mais liberdades. Dias depois, houve distúrbios em Deraa, na fronteira com a Jordânia, em protesto à tortura a meninos da cidade apanhados fazendo pichações antigoverno.

Um contato da Reuters em Deraa disse que a maioria das escolas e lojas na principal área comercial está de portas fechadas nesta quinta-feira e que centenas de soldados e policiais patrulham as ruas. Funcionários públicos estão recebendo ordens para participar de manifestações pró-regime, segundo moradores.

Apesar da crise econômica em decorrência das sanções internacionais, Assad ainda parece gozar de apoio significativo dentro da Síria, especialmente nas duas maiores cidades, Damasco e Aleppo. Seu principal aliado, o Irã, também permanece firme ao lado do regime sírio. Mas o regime enfrenta um crescente isolamento internacional. Na quarta-feira, Arábia Saudita e Itália anunciaram a retirada dos seus embaixadores de Damasco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.