Rungroj Yongrit/EFE
Rungroj Yongrit/EFE

Exército da Tailâdia declara lei marcial

Decisão foi tomada um dia após governo provisório se recusar a deixar o cargo; militares negam que medida seja golpe de Estado

O Estado de S. Paulo,

19 Maio 2014 | 19h57

BANGCOC - As Forças Armadas da Tailândia declararam nesta segunda-feira, 19, lei marcial no país em um ato que surpreendeu Bangcoc em meio a rumores de um golpe de Estado.  Em  comunicado, o comando militar anunciou a censura dos meios de comunicação e disse que adotou a lei de exceção para “manter a paz e a ordem” no país. Nas primeiras horas da manhã de terça-feira, 20 (madrugada em Brasília), soldados ocuparam as ruas do centro, de alguns bairros da capital e várias estações de TV.

A medida foi anunciada seis meses depois que manifestações populares ganharam as ruas pedindo a destituição do governo da primeira-ministra Yingluck Shinawatra. No dia 7, o Tribunal Constitucional da Tailândia decidiu afastá-la do cargo. Os militares, porém,  negaram que estavam assumindo o poder, dizendo que o decreto de lei marcial “não representa um golpe”. As Forças Armadas da Tailândia conduziram 11 golpes no país desde o fim da monarquia absolutista, em 1932.

No domingo, o líder dos protestos contrários ao governo da Tailândia, Suthep Thaugsuban, definiu a próxima terça-feira como data-limite para remover o partido interino do poder e convocou os milhões de apoiadores a se unirem ao que chamou de “a última luta”, segundo publicado pelo Bangkok Post. Thaugsuban, secretário-geral do Comitê Popular de Reforma Democrática (PDRC), disse que se entregaria à Justiça nessa data.

Segundo ele, integrantes do PDRC visitariam esta semana os ministros interinos do governo para exigir a renúncia deles sob o argumento de estarem “obstruindo o progresso do país”. Ao responder aos opositores, o primeiro-ministro interino, Niwattumrong Boonsongpaisan, disse que não renunciaria.

Manifestantes tomaram as ruas em novembro e, em janeiro, boicotaram as eleições antecipada. Os protestos contra a votação terminaram com a morte de 25 pessoas e centenas de feridos. Os manifestantes exigiam que as eleições fossem realizadas após uma reforma do sistema político que consideram corrupto e a serviço dos interesses do ex-premiê Thaksin Shinawatra, irmão de Yingluck, afastado do poder por um golpe militar em 2006. / REUTERS E AP

Mais conteúdo sobre:
Tailândia Exército lei marcial

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.