Exército da Turquia diz que quer ficar fora da política

O exército da Turquia afirmou que não será envolvido na política em meio ao aprofundamento do escândalo de corrupção que forçou o primeiro-ministro, Recep Tayyip Erdogan, a reformular seu gabinete nesta semana depois que três ministros - cujos filhos estão detidos por causa da investigação - renunciaram ao cargo.

AE, Agência Estado

27 de dezembro de 2013 | 08h46

A declaração do exército foi feita em um comunicado divulgado nesta sexta-feira em resposta à possibilidade levantada por consultores de Erdogan em uma coluna publicada no jornal Star de que o escândalo seja um plano para provocar um golpe militar. Erdogan já havia atribuído a investigação sobre corrupção a uma conspiração para derrubar o governo.

O exército turco realizou três golpes militares desde a década de 1960, mas seu poder foi limitado durante o governo de Erdogan. Os críticos acusam o primeiro-ministro de fazer manobras políticas para evitar novas prisões relacionadas à investigação de corrupção, incluindo a remoção de policiais e juízes. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
TURQUIACORRUPÇÃOEXÉRCITO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.