Exército de Burkina Faso diz que entregará país a civis

O Exército de Burkina Faso afirmou nesta segunda-feira que irá passar o comando do país a um governo de transição, liderado por um governante a ser escolhido por todos os setores da sociedade. O objetivo é preencher o vácuo de poder no Executivo após a renúncia do presidente Blaise Compaore, que fugiu do país.

Estadão Conteúdo

03 Novembro 2014 | 14h55

O tenente-coronel Isaac Yacouba Zida se encontrou com diplomadas e anunciou que Burkina Faso será liderado por "um corpo transicional dentro das prerrogativas constitucionais".

A capital Ouagadougou permaneceu calma nesta segunda-feira, apesar dos soldados terem deixado as ruas da cidade após dias de protestos violentos. Na última terça-feira, os manifestantes atearam fogo ao Parlamento para impedir uma votação que daria a Compaore o direito de se candidatar novamente à reeleição. O ex-presidente já estava no poder há 27 anos.

No domingo, manifestantes demandaram que os militares cedessem o poder após os soldados terem nomeado o tenente-coronel Zida como chefe do governo de transição. A Organização das Nações Unidas (ONU) e a União Africana condenaram a tomada do poder pelos militares. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.