Exército de Burundi admite ter matado 183 pessoas

O Exército de Burundi admitiu hoje ter matado 183 pessoas em Gitega no último dia 9 de setembro. Quase todas as vítimas eram civis que, segundo os militares, eram "cúmplices" ou "reféns" de pesados confrontos entre forças rebeldes e governamentais na região. O porta-voz do Exército, coronel Augustin Nzabampema, falando por telefone da capital, Bujumbura, disse: "173 pessoas caíram sob as balas dos soldados do Exército". Em 17 de setembro, o presidente da comissão de direitos humanos do Parlamento, Leonidas Ntibayazi, falou de um massacre de 173 pessoas em Gitega, destacando que 112 eram civis, mas disse desconhecer os responsáveis pelo massacre. O governador da província havia confirmado a quantidade de vítimas, mas os rebeldes das Forças para a Defesa da Democracia (FDD) disseram ontem que naquele dia o Exército matou mil pessoas em Gitega.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.