"Exército de Deus" ameaça matar médicos que fazem aborto

As clínicas dos EUA onde se fazem abortos estão em estado de alerta após receberem pela internet ameaças de morte contra seus funcionários. As investigações indicaram que as ameaças provêm de um indivíduo que viaja pelo país e afirma ter sido escolhido por Deus para castigar os que promovem ações abortivas. A polícia levou a sério algumas mensagens que apareceram na segunda-feira no site "Exército de Deus", organização contra o aborto liderada pelo reverendo Donald Spitz. "Mataremos a maior quantidade possível" de funcionários das clínicas de aborto. "Não me interessa se você é enfermeira, telefonista ou uma funcionária da limpeza; se trabalha para os assassinos...nós a mataremos", dizia a mensagem. Os investigadores suspeitam que o autor dos e-mails seja Clayton Lee Waagner, de 44 anos, que escapou de uma penitenciária de Illinois há quatro meses, onde estava preso por posse ilegal de armas. Waagner foi detido em 1999, depois de entrar no Estado de Illinois, junto com a mulher e oito filhos, em um veículo roubado carregado de armas. Ao ser processado, declarou ser "um guerrilheiro ao qual Deus pediu que combata os doutores que praticam abortos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.