Exército de Israel teria ordenado ataque a equipes de resgate

Segundo o jornal Haaretz, comunicado foi achado após ofensiva em Gaza

, O Estadao de S.Paulo

23 de março de 2009 | 00h00

O jornal israelense Haaretz publicou ontem o conteúdo de um comunicado, supostamente escrito por um oficial israelense aos seus soldados, ordenando ataques contra equipes de resgate durante a ofensiva militar na Faixa de Gaza, lançada entre dezembro e janeiro."Regra de engajamento: Abrir fogo também contra pessoal de socorro", estava escrito à mão, em hebraico, em uma folha de papel encontrada em uma das casas palestinas tomadas pelo Exército em Gaza.O jornal israelense lembra que membros de equipes de socorro da Cruz Vermelha Palestina foram atacados durante a ofensiva. A falta de segurança para os trabalhadores humanitários tornou, em alguns casos, impossível a retirada dos feridos e mortos. "Um número desconhecido de palestinos morreu por ter sangrado durante dias, sem tratamento médico, à espera de socorro, enquanto as pessoas não ousavam sair de suas casas. O documento encontrado na casa palestina fornece uma prova escrita de que os comandantes do Exército israelense ordenaram a seus soldados tropas que atirassem nas equipes de resgate", diz a reportagem.PROVAO papel foi encontrado por um pesquisador do Centro Palestino dos Direitos Humanos, na casa da família de Sami Dardone, em Jabal al-Rayes, a leste de Jabalya. A numerosa família de Dardone morava em cerca de 40 casas deste bairro. Algumas delas foram tomadas pelo Exército para abrigar as tropas durante a ofensiva.Uma fonte militar disse ao Haaretz que "o comunicado não é um documento oficial assinado por um comandante; por isso o Exército não fará nenhum comentário a respeitoIsrael enfrenta uma série de denúncias, feitas por soldados, de que foram dadas ordens para atirar contra civis palestinos, mesmo mulheres e crianças. Há também a acusação de que capelães do Exército também teriam dito aos soldados que a guerra era contra não judeus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.