Exército do Chile retira 54 pessoas da área do vulcão em erupção

O corpo de resgate desocupou nestaquarta-feira o parque onde turistas estavam presos atrás dovulcão em erupção Llaima, no sul do Chile, que começou a lançarlava no dia anterior e forçou os habitantes vizinhos aabandonarem a área, sem registros de vítimas. O Llaima é um dos quatro vulcões mais ativos da América doSul e está localizado 700 quilômetros ao sul de Santiago,dentro do Parque Nacional Conguillío, perto da fronteira com aArgentina. A erupção ocorreu exatamente no início da temporadade férias no país. As autoridades desocuparam a região na terça-feira tirandodezenas de turistas que estavam no parque. No entanto, mais de50 pessoas ficaram presas no local após um rio transbordar como degelo no topo do vulcão e bloquear a via de acesso. "Esta manhã foram retiradas pelo corpo do Exército as 43pessoas que permaneciam na área do Parque Nacional Conguíllio.O mesmo aconteceu com outras 11 pessoas", disse em comunicado oServiço Nacional de Emergências (Onemi). Uma neblina cobriu a manhã desta quarta-feira impedindo autilização de helicópteros para o resgate dos que ficarampresos no parque. Foram usados caminhões militares para aoperação. A última erupção do vulcão Llaima, de 3.125 metros dealtura, aconteceu em 1994. O Chile tem mais de 2 mil vulcões, 500 deles sãoconsiderados ativos e outros 60 têm registros de erupções nosúltimos 450 anos. "Mais uma vez estamos ameaçados por uma catástrofenatural", disse a jornalistas a presidente chilena, MichelleBachelet, fazendo uma alusão ao recente terremoto que abalou onorte do Chile em novembro em 2007. "Estamos tomando todas as medidas necessárias para evitarriscos pessoais e, felizmente, até agora não tivemos nenhumaperda", acrescentou. (Por Antonio de la Jara)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.