AFP PHOTO / KHALED DESOUKI
AFP PHOTO / KHALED DESOUKI

Exército do Egito diz ter encontrado destroços do avião da EgyptAir

Marinha também encontrou alguns pertences de passageiros e está vasculhando a área à procura das caixas-pretas da aeronave

O Estado de S. Paulo

20 Maio 2016 | 08h41

CAIRO - O Exército do Egito informou nesta sexta-feira, 20, que encontrou partes dos destroços do avião da EgyptAir que caiu na quinta-feira no Mar Mediterrâneo, com 66 pessoas a bordo. Elas foram localizadas a 209 km de Alexandria. A Marinha ainda encontrou alguns pertences de passageiros e está vasculhando a área à procura das caixas-pretas da aeronave, informou o Exército em comunicado.

As Forças Armadas egípcias também encontraram uma pedaço de um corpo entre os assentos e objetos pessoais dos passageiros, informou o ministro de Defesa grego, Panos Kamenos. "Há algumas horas nos informaram (as autoridades egípcias) que encontraram na área de busca uma parte de um corpo, dois assentos e uma ou várias peças de bagagem", explicou Kamenos em entrevista coletiva.

O Exército já iniciou os trabalhos para recuperar os destroços encontrados do Airbus A320 e os trabalhos de busca continuam na região, acrescentou o porta-voz.

Após divulgação da descoberta, o presidente do Egito, Abdel-Fattah al-Sisi, expressou seus sentimentos às famílias das vítimas que estavam a bordo do avião. "A Presidência com grande tristeza e pesar lamenta as vítimas a bordo do voo da EgyptAir que foram mortos após o avião cair no Mediterrâneo em sua rota de Paris ao Cairo", informou o gabinete de Sisi em comunicado.

A equipe egípcia, formada por membros do Ministério de Aviação Civil, Centro de Busca e Resgate das Forças Armadas, Marinha e Força Aérea, trabalha em colaboração com Grécia, França, Grã-Bretanha, Chipre e Itália.

Autoridades gregas e egípcias chegaram a confirmar na quinta-feira que haviam encontrado os destroços da aeronave, mas a informação foi desmentida depois.

Até o momento, sabe-se que o A320 desapareceu dos radares e perdeu muita altitude quando estava entre 10 e 15 milhas dentro do espaço aéreo egípcio, efetuando dois giros bruscos enquanto descia de 37 para 15 mil pés.

As causas do acidente ainda são desconhecidas. Alguns responsáveis apontaram para a possibilidade de um atentado terrorista, apesar de nenhum grupo ter reivindicado a autoria da ação até agora.

Entre os passageiros, havia 30 egípcios e 15 franceses, além de 2 iraquianos, 1 britânico, 1 belga, 1 português, 1 canadense, 1 argelino, 1 saudita, 1 sudanês, 1 chadiano e 1 kuwaitiano.

Investigação. Três investigadores franceses e um especialista técnico da Airbus desembarcaram no Aeroporto Internacional do Cairo nesta sexta-feira para ajudar na investigação do avião da EgyptAir.

Os investigadores franceses fazem parte do escritório de investigação e análise Ministério de Aviação Civil da França, disseram as fontes. A França participa de um comitê de investigação liderado pelo Egito. /Reuters, EFE e Dow Jones Newswires

Mais conteúdo sobre:
acidente aéreo Egito Mediterrâneo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.