Exército do Egito invade jornal da Irmandade Muçulmana no Cairo

Polícia invadiu o prédio durante a noite e confiscou ativos do jornal, acusa o grupo islamista

O Estado de S. Paulo,

25 Setembro 2013 | 11h22

CAIRO - Autoridades egípcias fecharam a sede do jornal da Irmandade Muçulmano no Cairo, na mais recente medida para reprimir o movimento islâmico, informou a Irmandade nesta quarta-feira, 25.

"Nós jornalistas do jornal Liberdade e Justiça condenamos as forças de segurança por fecharem a sede do jornal", disse a Irmandade em comunicado publicado na página da organização no Facebook.

A polícia invadiu o prédio durante a noite e confiscou ativos do jornal. Uma fonte do Departamento de Segurança do Cairo disse que a operação ocorreu após a decisão judicial de segunda-feira que baniu a Irmandade e determinou a apreensão de seus fundos.

O Exército depôs em julho o presidente Mohamed Mursi, membro da Irmandade, e desde então a organização teve centenas de membros mortos e milhares de presos sob acusação de incitação à violência, numa ofensiva das autoridades contra a Irmandade.

A campanha levou os cerca de 50 jornalistas que produzem o jornal diário Liberdade e Justiça a trabalhar secretamente para não serem presos.

O jornal, que tem o mesmo nome do partido político da Irmandade, tem como foco reverter o que considera ter sido um golpe militar contra um governo eleito democraticamente. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.