Exército do Iêmen anuncia morte de 160 rebeldes xiitas

Pelo menos 160 membros do grupo rebelde xiita Jovens Fiéis morreram e dezenas foram feridos e detidos nos combates das últimas duas semanas contra o Exército do Iêmen no norte do país, informou nesta quarta-feira, 7, um comunicado militar.Segundo a nota, divulgada pelo Ministério da Defesa, entre os mortos há vários líderes. O grupo radical, liderado por Abdel Malek al-Huti, luta contra as tropas governamentais na província de Sa´adah, na fronteira com a Arábia Saudita."Dezenas de terroristas foram feridos e detidos", diz a nota, sem mencionar baixas entre os soldados.Dezenas de pessoas, entre elas muitos militares, morreram nos últimos dois meses, desde o início dos combates em áreas montanhosas de Sa´adah, a cerca de 240 quilômetros da capital iemenita.O governo central enviou nas últimas três semanas milhares de soldados e equipamento militar à região. Os seguidores de Huti são acusados de tentar derrubar o regime do presidente Ali Abdullah Saleh, e provocar um conflito sectário entre sunitas e xiitas.Dirigentes e analistas iemenitas acusam Irã e Líbia de apoiar a rebelião. A embaixada iraniana rejeitou as acusações no fim de semana.O conflito começou 2004, quando centenas de pessoas morreram em violentos combates em Sa´adah, entre elas o fundador do grupo xiita, Hussein al-Huti.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.