Exército do Iêmen continua embates no norte e é atacado no sul

Embates na cidade de Omran, no norte do Iêmen, entre o exército e combatentes do movimento de Houthi continuavam neste domingo, após pelo menos 104 pessoas serem mortas no sábado, enquanto no sul seis soldados foram assassinados por militantes da al Qaeda.

REUTERS

06 Julho 2014 | 11h36

O governo do Iêmen está tendo dificuldades para retomar a estabilidade em um país que enfrenta um levante no norte, um movimento separatista no sul e a crescente insurgência da al Qaeda que sobreviveu repetidos ataques do exército.

Governos ocidentais e do Golfo temem que a dispersão da al Qaeda no Iêmen e os persistentes conflitos no norte podem dar espaço para que militantes organizem ataques a alvos internacionais e na vizinha Arábia Saudita, maior exportadora de petróleo do mundo.

O conflito entre o governo e o Houthis, que exige mais direitos para a seita xiita Zaydi no país de maioria sunita, assumiu um tom crescentemente sectário, levando a temores de mais turbulências.

(Reportagem de Mohammed Ghobari e Mohammed Mukhashaf)

Mais conteúdo sobre:
IEMENEXERCITO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.