Reuters
Reuters

Exército do Iêmen mata 33 militantes no sul do país

Nesta quarta, foram 21 da Al-Qaeda mortos no país após ataque que matou 96 militares

REUTERS

24 Maio 2012 | 14h50

ÁDEN - Soldados iemenitas entraram em confronto com militantes islâmicos em cidades do sul do país nesta quinta-feira, 24, como parte de uma ofensiva ampliada, com o apoio dos Estados Unidos, para tentar estabilizar a nação árabe que se transformou em uma base para a Al Qaeda.

Veja também:

link Confrontos no Iêmen matam 21 da Al-Qaeda e 4 militares

link Iêmen cancela desfile militar após ataque que matou 96 soldados

Países ocidentais e do Golfo Pérsico têm observado com cada vez mais alarme a crise política no Iêmen, que deu à Al Qaeda a oportunidade de desenvolver uma base, a partir do qual lança ataques ao redor do mundo.

Os insurgentes no sul aproveitaram os protestos populares do ano passado contra o ex-presidente Ali Abdullah Saleh para tomar grandes porções do território.

Oficiais do Exército e moradores disseram que ao menos 33 militantes morreram nos confrontos pesados de quinta-feira com o Exército iemenita nos subúrbios da cidade de Jaar, na província de Abyan. Entre os mortos, havia um somali e um egípcio que lutavam do lado dos insurgentes, afirmaram eles.

Caças iemenitas também lançaram ataques em Jaar, mas não foi registrada nenhuma morte, afirmaram moradores.

Na cidade de Zinjibar, de importância estratégica, os militantes islâmicos lançaram um contra-ataque contra as forças do governo a partir da parte oriental da cidade, mas foram forçados a recuar, afirmou um oficial do Exército. Um soldado ficou ferido no confronto.

Os militantes têm dado abrigo e apoio ao braço regional da Al Qaeda, que na segunda-feira matou cerca de 100 soldados em um atentado suicida em uma parada militar na capital do Iêmen, Sanaa.

Mais conteúdo sobre:
IEMENEXERCITO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.