Exército do Sri Lanka diz ter cercado líder rebelde

O líder do grupo rebelde Tigres de Libertação do Eelam Tâmil (LTTE, na sigla em inglês) está vivo e foi cercado pelas forças do governo numa pequena área de floresta, disse hoje o brigadeiro Udaya Nanayakkara, porta-voz dos militares. Segundo o brigadeiro, foi realizada uma grande operação militar para a captura de Velupillai Prabhakaran, após a morte do filho e de vários dos principais assessores do líder rebelde.

AE, Agencia Estado

18 de maio de 2009 | 06h57

"É um cerco de 360 graus e ele não tem como escapar", afirmou Nanayakkara. O militar contou que Prabhakaran, de 54 anos, e seus principais guarda-costas estavam oferecendo uma dura resistência, mas que as forças do governo vinham fechando o cerco. "A atual ofensiva se destina a apanhar Prabhakaran e o restante das principais lideranças dos Tigres", declarou. "Isso deve levar poucos dias, ou mesmo poucas horas."

Fontes militares disseram que Prabhakaran vinha se comunicando por rádio, apesar da especulação sobre o destino do líder rebelde. Mais cedo, os militares anunciaram a morte do filho de 24 anos de Prabhakaran, Charles Anthony, que chefiava o braço de tecnologia do grupo, e do líder do braço político, B. Nadesan. O chefe do secretariado de paz dos Tigres Tâmeis, S. Pulideevan; o chefe de polícia do grupo, Ilango; e o vice-líder da área de inteligência, Kapil Amman, também foram mortos pela ofensiva do governo hoje.

De acordo com os militares, cerca de 200 guerrilheiros foram mortos hoje, em operações que se seguiram à rendição dos rebeldes, ontem. Num anúncio dramático, os guerrilheiros reconheceram ontem que sua antiga luta por um território independente havia chegado a um "fim amargo" - sinalizando o encerramento da mais antiga guerra civil da Ásia, iniciada em 1983. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Sri Lankaguerra civilrebeldes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.