Exército do Timor reassume segurança de Díli

O Exército do Timor Leste, inativo desde maio, voltará a ser operacional a partir desta quarta-feira, reassumindo a segurança de Díli, a capital do país, onde uma onda de violência exigiu a intervenção de tropas internacionais e depois de forças da ONU. O comandante do Exército, o coronel Lere Anan Timor, disse a jornalistas que os soldados sairão dos quartéis e marcharão rumo ao Palácio do Governo. Lá, serão recebidos pelo presidente do Timor Leste, Xanana Gusmão, e pelo primeiro-ministro, José Ramos Horta. Membros da polícia também participarão da cerimônia, assim como os grupos de jovens que, desde domingo, tem saído às ruas de Díli para pedir a paz e o fim da violência. O comandante acrescentou que o papel do Exército é servir ao país como elemento integrador de seus habitantes, tanto os da região oriental (lorosae) quanto os da ocidental (loromono). "Lutamos durante 24 anos na montanha e agora reafirmamos nossa posição de que estamos preparados para servir ao povo do Timor Leste", disse. Gusmão convidou todos os timorenses a participarem do ato para "promover a união nacional e a harmonia entre as forças de Segurança". As tensões entre o Exército e a polícia foram uma das causas da violência que tomou conta de Díli entre abril e maio, que deixou 30 mortos e 150 mil desabrigados.

Agencia Estado,

15 Novembro 2006 | 01h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.