Omar Sobhani/Reuters
Omar Sobhani/Reuters

Exército dos EUA alerta para aliança de radicais no Afeganistão

Chefe militar se diz preocupado com proximidade de militantes do Taleban com extremistas no Paquistão

estadao.com.br,

14 de dezembro de 2009 | 13h49

O chefe do Estado maior do Exército americano expressou nesta segunda-feira seu temor sobre a proximidade entre militantes islâmicos no Paquistão e no Afeganistão.

 

link Veremos em um ano se estratégia afegã funciona, diz Obama

linkPaquistão não deportará americanos suspeitos de apoiar Al-Qaeda

linkAtaques deixam 16 policiais mortos no Afeganistão

 

 O almirante Mike Mullen disse que deve analisar o assunto com autoridades paquistanesas nesta semana. Ele está em Cabul, no Afeganistão, para analisar os planos de aumento no efetivo americano no país.

 

Segundo o almirante, a insurgência controla um terço do Afeganistão. "Ela está mais violenta, mais penetrante e mais avançada.", disse Mullen. "Estou muito preocupado com a crescente aproximação entre o Taleban afegão e grupos extremistas que se refugiam do outro lado da fronteira".

 

VEJA TAMBÉM:
especial Especial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão

O governo americano tem pressionado o Paquistão para aumentar sua ofensiva contra militantes que usam o país como refúgio. Islamabad lançou em março deste ano uma ofensiva no Vale do Swat contra os radicais.

"Vi que o Paquistão aumentou bastante do seu compromisso nos últimos 12 meses", afirmou o almirante. "Estou convencido de que estão comprometidos".

A visita de Mullen acontece depois do governo americano anunciar o envio de mais 30 mil soldados ao Afeganistão.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoPaquistãoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.