Exército dos EUA estuda ficar no Iraque até 2007

O mais alto oficial do Exército dos Estados Unidos disse que tem planos para a possibilidade de as forças americanas serem necessárias no Iraque ao longo do ano de 2006. O general Peter J. Schoomaker, chefe do Estado-Maior do Exército, disse ao Comitê das Forças Armadas da Câmara que, ?para fins de planejamento?, ordenou à sua equipe que estude como substituir o contingente que se encontra no Iraque por outro do mesmo tamanho em 2005, e mais uma vez em 2006.A decisão sobre a duração da presença militar americana no Iraque será tomada pelo presidente George W. Bush e seus assessores de segurança nacional. Como chefe do Estado-Maior, a função de Schoomaker é garantir que haja soldados prontos e equipados para qualquer missão decidida pelo presidente.A necessidade de um grande número de soldados no Iraque forçou o Exército americano, também presente em massa no Afeganistão, Coréia do Sul e nos Bálcãs, a invocar autoridade emergencial e superar o limite, fixado pelo Congresso, do número de militares permitidos na ativa. Segundo Schoomaker, atualmente há 11.000 soldados acima do teto de 482.400.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.