Cezary Aszkielowicz / Reuters
Cezary Aszkielowicz / Reuters

Exército dos EUA vai treinar tropas ucranianas

Informação foi divulgada pelo tenente-general Ben Hodges, comandante do Exército americano na Europa; líderes franceses, alemães, ucranianos e russos s reúnem em Minsk para negociações de paz

O Estado de S. Paulo

11 de fevereiro de 2015 | 15h48

SZCZECIN - As tropas militares americanas planejam treinar soldados ucranianos que lutam contra separatistas apoiados pela Rússia no leste do país. A informação foi divulgada pelo tenente-general Ben Hodges, comandante do Exército americano na Europa, durante uma visita à sede do Corpo do Exército Multinacional da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) nesta quarta-feira, 11, na cidade polonesa de Szczecin.

De acordo com Hodges, um batalhão de soldados americanos vai treinar três batalhões ucranianos no centro de treinamento de Yavariv, na cidade de Lviv.

A declaração de Hodges ocorreu em meio a intensificação dos combates no leste da Ucrânia. Líderes franceses, alemães, ucranianos e russos devem se reunir mais tarde nesta quarta-feira, em Minsk, para as negociações de paz, mas o sucesso do encontro é incerto.

Segundo Hodges, a preparação consiste em ensinar os soldados ucranianos a defenderem-se melhor da "artilharia e bombas dos russos e rebeldes". O treinamento ainda inclui segurança de estradas, pontes e outros tipos de infraestrutura, tratamento e retirada de vítimas e operação em ambientes nos quais os russos tem acesso as comunicações.

Hodges ainda acusou o presidente russo Vladimir Putin de fornecer armas e apoiar os separatistas. "Acho importante reconhecer que esses não são separatistas, são pessoas a serviço de Putin. É bastante óbvio constatar, pela quantidade de munição e o tipo de equipamento, que há intervenção militar direta da Rússia na área ao redor de Debaltseve", afirmou.

Os rebeldes estão travando uma ofensiva para tomar Debaltseve, um entroncamento ferroviário do governo que fica entre as cidades de Luhansk e Donetsk, em poder dos separatistas. "Eu temo que, se eles tomarem Debaltseve, irão direcionar suas atenções para Mariupol", disse o comandante, referindo-se à cidade portuária estratégica. "Eles certamente tem um grande número de forças russas, dez batalhões, na fronteira leste da Ucrânia", afirmou. / ASSOCIATED PRESS 

Tudo o que sabemos sobre:
Estados UnidosUcrâniaRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.