Efe
Efe

Exército egípcio abre caminho para líder do golpe disputar a presidência

Sisi deve renunciar ao cargo de ministro da Defesa para disputar as eleições, esperadas para abril

O Estado de S. Paulo,

27 de janeiro de 2014 | 15h54

CAIRO - O marechal Abdel Fatah al-Sisi, militar que liderou o golpe que derrubou o presidente Mohamed Morsi do cargo em julho passado, recebeu o apoio da cúpula das Forças Armadas nesta segunda-feira, 27, para se candidatar à presidência do Egito. O anúncio oficial deve ser feito nos próximos dias.

Veja também:
link Cronologia: o Egito desde a eleição de Morsi
link Fotos: atentados no Egito

Sisi obteve o respaldo do Conselho Supremo das Forças Armadas (SCAF, na sigla em inglês) horas depois de ter sido promovido ao cargo de marechal de campo pelo presidente interino Adli Mansour.

A candidatura consolida a ascensão de Sisi. Logo após a derrubada de Morsi, que o nomeara meses antes ministro da Defesa, Sisi liderou uma onda de repressão contra a Irmandade Muçulmana, o grupo político do presidente, e viu sua popularidade aumentar. Com base em discursos emotivos e no apelo a sua figura pessoal, viu sua popularidade aumentar.

Ontem, as eleições presidenciais, que deveriam ocorrer no final do ano, foram antecipadas para antes da votação que definirá o novo Parlamento do país. A votação deve ser mantida para a segunda quinzena de abril.

Em um discurso televisionado à nação, Mansour disse que pedirá para a comissão abrir as portas para candidatos se registrarem, conforme estipulado pela nova Constituição, adotada no início de janeiro. Mansour falou que o aumento de ataques terroristas não irão deter a transição do país para a democracia.

O final de semana foi marcado por uma onda de violência pelo Egito, que já deixou 49 mortos, 250 feridos e mais de 1 mil detidos em confrontos entre a polícia, opositores e adeptos de Morsi. / AP e  REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoAbdel Fatah al-Sisi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.