Abdallah Dalsh/Reuters
Abdallah Dalsh/Reuters

Exército egípcio ganha poderes para prender civis

Essa ação havia sido proibida no fim de maio, após o fim da lei de emergência

AE, Agência Estado

13 de junho de 2012 | 13h56

CAIRO - O ministro da Justiça do Egito, Adel Abdel Hamid, concedeu nesta quarta-feira, 13, poderes para que o Exército detenha civis. Esse tipo de ação havia sido proibido em maio, após o fim da lei de emergência, que vigorou durante décadas. Agora, surge a suspeita de que os governantes militares do país estão tentando recriar essas mesmas leis.

Veja também:

link Saúde de Hosni Mubarak mostra 'ligeira' melhora

link Parlamento egípcio vota Assembleia Constituinte

Hamid emitiu a decisão que permite que qualquer militar, incluindo integrantes da inteligência militar ou policiais militares, o direito de prender civis. A medida passa a valer na quinta-feira e será válida pelo menos até a redação da próxima Constituição.

A decisão deve enfurecer ativistas e manifestantes, que durante anos fizeram campanha pelo fim do estado de emergência, que dava à polícia amplos poderes para deter pessoas e foi muito usado para conter os dissidentes.

A medida é adotada apenas alguns dias antes do segundo turno da eleição presidencial entre o ex-premiê Ahmed Shafiq e o candidato da Irmandade Muçulmana, Mohammed Mursi, que acontece no final de semana.

Analistas militares dizem que se trata de uma medida temporária, mas ativistas pelos direitos humanos advertem que ela pode estender o domínio dos miliares mesmo se eles transferirem o poder para os civis no mês que vem.

As informações são da Associated Press e da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
Egitoprisãocivisexército egípcio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.