Exército entra em alerta diante de condenação de Saddam

O ministro da Defesa iraquiano, Abdul Kader al-Obeidi, colocou em estado de alerta o Exército do país diante da possibilidade de que haja distúrbios se, no próximo domingo, o ex-presidente iraquiano Saddam Hussein for condenado. O ministro da Defesa referia-se ao julgamento em que Saddam e sete de ex-colaboradores são julgados pelo suposto envolvimento na execução de 148 xiitas da localidade de Dujail, ao norte de Bagdá, em 1982, após uma tentativa fracassada de assassinato do ex-ditador. O julgamento será retomado no próximo domingo e, embora a Corte não o tem dito, a imprensa especula que nessa sessão sairá a decisão do tribunal. A decisão de decretar o estado de alerta nas Forças Armadas, adotada após uma reunião do primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, com Obeidi e altos comandantes das forças de segurança, prevê o cancelamento de todas as permissões dos oficiais e a convocação dos soldados da reserva nas próximas 12 horas. O porta-voz do Ministério do Interior, Abdul Karim Khalaf, anunciou na quarta-feira que, com a coordenação do Ministério da Defesa, serão intensificadas as medidas de precaução a partir do próximo domingo, diante da previsão de "qualquer emergência". O responsável iraquiano referia-se a uma eventual reação violenta dos simpatizantes do ex-partido governante Baath, que era presidido por Saddam Hussein. O presidente do tribunal que julga os oito acusados, Jaafar al-Musawi, disse recentemente que o tribunal "ainda está estudando o caso de Dujail", e que, se essa tarefa terminar nos próximos dois dias, a sentença será ditada na sessão do próximo domingo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.