Exército francês faz mais ataques no norte do Mali

Poucas horas após a visita do presidente francês, François Hollande, ao Mali, tropas francesas lançaram novos ataques aéreos contra locais ocupados por militantes nas proximidades de Kidal e Tessalit, no norte do país, informou um funcionário do Ministério da Defesa da França neste domingo.

EQUIPE AE, Agência Estado

03 de fevereiro de 2013 | 16h21

Tropas francesas bombardearam depósitos de armas e combustível em duas cidades do norte do Mali entre a noite de sábado e a manhã deste domingo, segundo a fonte, que falou sob condição da anonimato.

Segundo o funcionário, os ataques tiveram como alvo depósitos logísticos de armas e combustíveis perto da fronteira com a Argélia". Porém, ele não pôde confirmar se os ataques também tiveram como alvo campos de treinamento dos islamitas.

Em entrevista ao semanário francês Le Journal du Dimanche, o ministro de Relações Exteriores do Mali, Hubert Tieman Coulibaly, expressou a expectativa do governo de que a operação francesa seja mantida até que os islamitas não tenham mais armas.

"Diante de combatentes experientes, cujo arsenal deve ser destruído, desejamos que a missão continue", afirmou Coulibaly. "Especialmente, tendo em vista a importância da dimensão das ações aéreas."

Hollande visitou Sevare, Timbuktu e Bamako no sábado, apenas três semanas depois de a França ter, unilateralmente, lançado uma intervenção militar com o objetivo de conter o avanço de militantes da Al-Qaeda para o sul do Mali. Desde então, tropas francesas conseguiram expulsar os rebeldes de três grandes cidades que estavam ocupadas.

Embora Hollande tenha destacado do sucesso da intervenção francesa, ele reconheceu no sábado, em declarações feitas em Bamako, que a ameaça do extremismo ainda se mantém. "O terrorismo foi rejeitado, perseguido, mas ainda não foi vencido." As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
FrançaMaliataques

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.