Exército frustra golpe em Burundi

Tropas leais ao presidente do Burundi, Pierre Buyoya, acabaram hoje com uma tentativa de golpe promovida por um pequeno grupo de militares, liderados pelo relativamente desconhecido tenente Pasteur Ndakarutimana, contrários às negociações do presidente com rebeldes da etnia hutu. As tropas governistas rodearam o prédio da rádio e da TV estatais e o aeroporto de Bujumbura, e negociaram a rendição dos sublevados.Ndakarutimana, em nome da autodenominada "Frente da Juventude Patriótica", havia anunciado na tarde de hoje um golpe de Estado contra Buyoya por meio da rádio oficial, além do fechamento das fronteiras e da instauração de um toque de recolher das 20 horas às 5 horas locais. A cidade estava calma, mas tensa. Moradores correram para suas casas temendo um confronto entre as tropas governistas e os militares rebelados. Uma breve troca de tiros tinha sido ouvida perto da estação de rádio, pouco depois do anúncio de golpe.Buyoya, no poder desde o golpe de Estado de 1996, estava fora do país, participando de um encontro com a liderança dos rebeldes hutus em Libreville, Gabão. Não se sabe a qual etnia pertencem os militares sublevados, mas analistas dizem que certamente eles são da minoria tutsi. O Burundi tem um longo histórico de golpes, a maioria liderados por soldados tutsis. Os tutsis têm controlado o Exército e a economia do Burundi desde sua independência da Bélgica, em 1962.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.