Exército intervém para deter confrontos em Beirute

O Exército libanês interveio na noite desta segunda-feira para pôr fim a vários confrontos entre opositores e partidários do governo em um bairro de Beirute, ferindo duas pessoas, informou nesta terça-feira a Agência Nacional de Notícias libanesa (ANN). Os confrontos foram registrados em vários bairros de maioria sunita e duas pessoas ficaram feridas no bairro Kaskas, onde um jovem xiita morreu a tiros no domingo. O cadáver da vítima, envolvido na bandeira libanesa, foi levado nesta segunda-feira à noite ao centro de Beirute, onde a oposição se manifesta para derrubar o governo desde sexta-feira. O caixão de Ahmed Mahmoud foi enviado em seguida ao necrotério de um hospital e será enterrado nesta terça-feira. Mahmoud, de 20 anos, era membro do grupo xiita Amal, cujo líder é o presidente do Parlamento NabihBerri. O Exército e a polícia, que reforçaram ontem sua presença nos bairros conflituosos de maioria sunita e xiita, também intervieram nesta segunda-feira à noite para abrir a estrada para o aeroporto de Beirute, que permaneceu bloqueada por alguns minutos por membros da oposição pró-síria. As forças de segurança acusaram 60 manifestantes de atacar os pedestres no bairro de Maznaa e de quebrar janelas e pára-brisas de vários carros. Além disso, algumas lojas foram incendiadas em diferentes bairros de Beirute. Segundo o jornal L´Orient Le Jour, os contatos mantidos até agora para conter a crise libanesa, tanto em nível local como internacional, não deram resultados. De acordo com o jornal, a solução para a conflituosa situação passaria por um "pacote de acordos", que incluísse a formação de um governo de união nacional e a criação de um tribunal especial para o Líbano. Tal tribunal, concebido pela ONU, deveria julgar o assassinato do ex-primeiro-ministro Rafik Hariri e de outras personalidades libanesas assassinadas desde outubro de 2004.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.