Exército israelense cerca mesquita com militantes palestinos

O Exército de Israel cercou uma mesquita palestina onde diversos militantes estariam escondidos, nesta sexta-feira. A maioria dos palestinos que se refugiaram na mesquita, em Beit Hanun conseguiu escapar do cerco, com o auxílio de mulheres que serviram de escudo humano, informou nesta sexta-feira a rádio israelense, que cita fontes palestinas. As fontes palestinas informaram que uma das manifestantes morreu baleada pelos soldados israelenses e outra foi gravemente ferida. O Exército afirmou que seus soldados atiraram apenas contra palestinos armados que participavam da manifestação. Aparentemente, grande parte dos cerca de 60 milicianos que estavam no templo conseguiu sair graças a um grupo de mulheres que protestavam na entrada do edifício. No entanto, de 15 a 20 palestinos ainda estariam no recinto. O Exército, que exige que os palestinos se entreguem, afirma que eles atiraram de dentro da mesquita sitiada. Escavadeiras militares derrubaram um muro da mesquita e provocaram a queda do teto de um dos quartos. Aparentemente, o desabamento provocou a morte de alguns milicianos. Os soldados também lançaram gás lacrimogêneo para forçar os palestinos a sair. Outros quatro palestinos morreram em dois ataques aéreos israelenses esta manhã no norte da Faixa de Gaza. Além disso, soldados israelenses mataram em Nablus um miliciano das Brigadas dos Mártires de al-Aqsa e feriram gravemente o seu irmão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.