Exército israelense destrói rede de fortificações subterrâneas do Hezbollah

O Exército de Israel destruiu uma ampla rede de fortificações subterrâneas da milícia fundamentalista do Hezbollah no sul do Líbano, a 400 metros da fronteira, informa o jornal "Yedioth Ahronoth". O subchefe do regimento de infantaria Golani, coronel Rasam Aliam, disse que se trata de bunkers cavados na rocha em uma superfície de dois quilômetros quadrados. Os guerrilheiros do Partido de Deus contavam no local, junto a uma base da Força Interina das Nações Unidas no Líbano(Finul), com posições de tiro, linhas telefônicas internas e meios logísticos. "Dentro do túnel construíram dezenas de posições para combate, subdivididas em dois e três quartos cada, e em cada uma delas havia serviços, uma ducha, ar condicionado e condições para fuga", disse o militar israelense. Esses bunkers, comentou, "permitiam que os terroristas do Hezbollah chegassem à superfície para disparar com morteiros contra alvos israelenses e retornar a eles sem serem vistos, devido à vegetação". O ministro de Infra-estruturas israelense, Benjamin Ben-Eliezer, general-de-brigada na reserva, disse à rádio pública que o governo de Ehud Olmert "não conduziu bem a guerra". A Força Aérea israelense destruiu objetivos vitais da infra-estrutura libanesa, mas não neutralizou os guerrilheiros, que conseguiram disparar quase quatro mil foguetes contra Israel. Olmert ainda não decidiu qual será feita a investigação desse de e outros erros do governo e das autoridades militares durante o conflito. Fontes do governo acreditam que Olmertanunciará na noite desta segunda-feira (28) a criação de uma comissão oficial, presididapor uma personalidade pública, e não uma investigação judicial e independente, como exigem seus opositores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.