Exército mata 4 guerrilheiros comunistas nas Filipinas

Rebeldes maoístas lutam com o governo há 39 anos; grupo será incluído na lista de organizações terroristas

Associated Press,

24 Julho 2007 | 01h18

As tropas filipinas mataram 4 guerrilheiros comunistas em um confronto no leste, aumentado as mortes em dois dias de lutas para ao menos oito, informaram os oficiais nesta terça-feira. Ao checar uma denúncia de um agente do governo sobre a presença de guerrilheiros em uma casa, um pelotão do Exército trocou tiros com os rebeldes na cidade de Sorsogon na segunda-feira, matando quatro deles, disse o Major Ernesto Torres, porta-voz do Exército. Nenhum soldado foi ferido. As tropas apreenderam rifles, munição, rádios e documentos dos rebeldes sobre uma batalha, cerca de 390 quilômetros (240 milhas) a sudoeste de Manila. No domingo, as tropas enfrentaram os rebeldes na província central de Leyte, matando quatro pessoas, incluindo dois insurgentes. A esposa de uma guerrilheiro e seu filho de 12 anos foram capturados, disseram os oficiais. Os rebeldes maoístas lutam com o governo há 39 anos. Os oficiais de segurança filipinos planejam incluir o grupo na lista de organizações terroristas a ser redigida sob a lei anti-terror, que passou a valer em 15 de julho. Os rebeldes, que já estão incluídos nas listas dos Estados Unidos e da União Européia, realizam ataques mortais contra as tropas, a polícia e a infra-estrutura pública incluindo as torres de telecomunicações. O Exército recomendou recentemente a retomada das conversas com o grupo com a condição de que os rebeldes concordassem com um imediato cessar-fogo. Os guerrilheiros rejeitaram o acordo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.