Exército mata 44 rebeldes em confronto no Congo

Troca de tiros em Rugari acaba com cessar-fogo que durava dois meses

AE, Agência Estado

15 de novembro de 2012 | 17h09

GOMA - Um confronto entre o Exército da República Democrática do Congo (antigo Zaire) e rebeldes de facção rebelde M23 deixou 44 pessoas mortas no leste do país, acabando com o cessar-fogo que já durava dois meses. A troca de tiros aconteceu na cidade de Rugari, que fica entre os domínios do M23 e dos militares, a 30 quilômetros de Goma, a capital da província, no leste do país e perto de Uganda.

Segundo uma testemunha, mais de 250 famílias fugiram da cidade e caminharam 15 quilômetros até o acampando de Kanyaruchinya, onde cerca de 60 mil pessoas já haviam buscado refúgio desde o começo do conflito em junho.

Desde agosto, agentes da Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos tem mantido negociações em Kampala, Uganda, para tentar encontrar soluções para o conflito. Houve um cessar-fogo durante a mediação, mas as tensões voltaram a subir nas últimas duas semanas quando as conversas pareciam ter chegado a um beco sem saída.

Na disputa desta quinta-feira, 15, cada parte culpa a outra por retomar as agressões. "O M23 nos atacou por volta das cinco horas desta manhã", disse o coronel Olivier Hamuli, indicando que a troca de tiros contra 700 rebeldes continuou até as 15 horas (horário local). Segundo o governador da província de Kivu do Norte, Julien Paluku, todos os mortos pertenciam à facção M23.

No entanto, os membros do M23 contam uma outra versão de como a disputa começou. No sábado, o porta-voz do braço político do grupo, Bertrand Bisimwa, acusou o exército de atacar rebeldes na cidade de Kitagoma, próxima a fronteira com Uganda. Fontes locais afirmam que os ataques em Kitagoma foram conduzidos por grupo aliado do M23 e de que os rebeldes estão apenas buscando uma desculpa para retomarem o conflito.

Com AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.