Exército mata líder do tráfico das Farc

?Negro Acácio?, interlocutor de traficante brasileiro, morreu em ataque aéreo, segundo comando militar colombiano

Ruth Costas, O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2004 | 00h00

O Exército colombiano anunciou ontem a morte de um dos mais importantes comandantes da guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Tomás Medina Caracas, conhecido como Negro Acácio, era o responsável pelo tráfico de drogas, hoje a principal fonte de financiamento da guerrilha. Segundo fontes oficiais ele teria sido morto durante um ataque aéreo contra seu acampamento, no qual também teriam morrido outros 16 rebeldes.  Leia mais sobre a presença do narcotráfico na ColômbiaSócio do traficante brasileiro Fernandinho Beira-Mar (leia ao lado), Medina foi o primeiro guerrilheiro a ter sua extradição solicitada pelos EUA, em 2002. Sua morte foi exaltada pelo governo como uma das maiores vitórias militares do governo do presidente Álvaro Uribe - que assumiu o poder há cinco anos prometendo derrotar a guerrilha."Esse golpe é sem dúvida o mais forte que já se desferiu contra a capacidade logística desse grupo terrorista", disse o ministro de Defesa colombiano, Francisco Santos. "Negro Acácio era quem controlava o negócio do tráfico, a compra de armas, explosivos e munições no leste do país e mantinha contato com as redes internacionais da droga." O ministro reconheceu que o corpo do guerrilheiro - a única prova irrefutável de sua morte - e os cadáveres do chefe de segurança e do operador de rádio do seu grupo foram levados por seus companheiros, mas disse que a própria guerrilha teria admitido a morte do comandante. Os restos mortais dos outros 14 rebeldes teriam sido recuperados pelas forças de segurança colombianas.Até a noite de ontem, as informações divulgadas por diferentes setores do Exército e do governo divergiam sobre a hora da morte de Negro Acácio. Uns diziam que ele fora morto no sábado; outros, na manhã de domingo. As versões sobre o local do ataque também variavam. Segundo o jornal El Tiempo, que citou fontes militares, ele ocorreu no Departamento de Guaviare. "O narcotráfico é responsável por cerca de 60% do orçamento das Farc - ou US$ 200 milhões, segundo algumas estimativas", disse ao Estado Alfredo Rangel, diretor da ONG Segurança e Democracia, com sede em Bogotá. "Pela importância dessa atividade na estrutura da organização, é pouco provável que as Farc não tivessem destacado uma ou duas pessoas para substituir Negro Acácio caso ele fosse morto", completou, explicando por que acredita que é preciso cautela antes de falar num enfraquecimento substancial da guerrilha. O anúncio da morte foi feito num momento de grande apreensão nas negociações entre as Farc e o governo colombiano a respeito da libertação de 45 reféns políticos em poder dos rebeldes. Para especialistas, porém, ainda é cedo para saber se ele irá pressionar a guerrilha a buscar uma solução negociada.Nas últimas semanas, o presidente venezuelano, Hugo Chávez , começou a mediar o diálogo, o que renovou as esperanças de que um acordo seja firmado em breve. Na sexta-feira, Chávez encontrou-se com Uribe e conseguiu seu aval para receber um líder das Farc em Caracas. A guerrilha diz-se disposta a trocar os 45 reféns por 500 guerrilheiros presos, mas exige que as negociações sejam feitas numa área desmilitarizada - condição que o governo colombiano não aceita. Parentes dos reféns acusam membros do governo e do Exército de tentarem minar nas negociações. "De fato há suspeitas de que setores militares que são contrários a um acordo humanitário e a favor de uma solução de força para a questão da guerrilha procurem intensificar as ofensivas na selva quando as negociações parecem estar encontrando seu caminho, mas até agora nada disso foi provado", diz o especialista em segurança, Gustavo Duncan, autor de Os Senhores da Guerra. NÚMEROS>60% do orçamento das Farc - ou US$ 200 milhões - vêm do tráfico de drogas>45 reféns seriam trocados, segundo proposta das Farc, por 500 guerrilheiros presosLINHA DE COMANDO>Manuel Marulanda - Conhecido como ?Tirofijo? (Tiro Certeiro), fundador e líder máximo das Farc. De 79 anos, vive recluso>Raúl Reyes - Chefe político e principal porta-voz da guerrilha>Jorge Briceño - Conhecido como ?Mono (Macaco) Jojoy?. É tido como a principal autoridade militar de campo das Farc, responsável por atentados e seqüestros>Rodrigo Granda - O ?chanceler? das Farc. Foi preso em 2004 em Caracas e indultado neste ano para negociar a troca de reféns com o governo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.