Exército na Tailândia pede que críticos se entreguem

Em uma medida aparentemente voltada para neutralizar os críticos e uma potencial oposição, a nova junta do Exército da Tailândia ordenou que dezenas de ativistas, acadêmicos e jornalistas se entreguem às autoridades militares.

AE, Agência Estado

24 Maio 2014 | 19h25

Em uma ordem militar transmitida no início deste sábado, a junta convocou mais 35 pessoas, incluindo políticos, ativistas e, pela primeira vez, acadêmicos e alguns jornalistas.

A junta também ordenou que bancos congelem os bens de dois políticos na lista, incluindo o ministro da Educação deposto e o chefe do partido que estava no poder.

Os líderes, que já estão mantendo a maior parte do governo, deposto em um golpe na quinta-feira, em locais secretos, disseram que manterão a ex-primeira-ministra Yingluck Shinawatra e outras autoridades sob custódia por até uma semana para dar-lhes tempo "para pensar" e manter o país calmo.

Dois dias depois de o Exército tomar o poder no primeiro golpe do país em oito anos, a junta também enfrentou protestos em diversas partes do país diante da crescente preocupação com as intenções da liderança. Também neste sábado, os militares dissolveram o Senado, a última instituição democrática em funcionamento, e absorveu seus poderes legislativos. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Tailândia golpe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.