Ng Han Guan/AP
Ng Han Guan/AP

Exército norte-coreano ameaça Coreia do Sul

Imprensa estatal do país prometeu 'reduzir a cinzas' governo sul-coreano

AE, Agência Estado

23 de abril de 2012 | 09h11

PYONGYANG - O exército da Coreia do Norte prometeu nesta segunda-feira, 23, levar a cabo "ações especiais" com o objetivo de reduzir a cinzas em menos de quatro minutos o governo conservador da Coreia do Sul e seus meios de comunicação, em mais um lance da crescente animosidade entre as duas nações asiáticas, segundo comunicado divulgado pela imprensa estatal norte-coreana.

Veja também:

linkPara EUA, programa de míssil teve ajuda chinesa

blog VISÃO GLOBAL: Uma Pyongyang mais imprevisível

linkCoreia do Norte exige que Seul peça perdão por insultos

Ambas as Coreias anunciaram novos mísseis recentemente e há menos de duas semanas os norte-coreanos fracassaram no lançamento de um foguete que, de acordo com Pyongyang, serviria para colocar um satélite em órbita, e que o Ocidente classificava de "teste disfarçado".

A tensão na região tem gerado preocupações de que a Coreia do Norte planeje novo teste nuclear, repetindo o que fez em 2006 e 2009, logo após o lançamento de foguetes. Imagens de satélite obtidas por agentes da inteligência sul-coreana revelam que o Norte está escavando um novo túnel, numa indicação do que seria os preparativos para um terceiro teste nuclear.

No comunicado, os militares norte-coreanos prometeram dar início a "ações especiais" no curto prazo que "reduzirão a cinzas todos os grupos e as bases por provocações em três ou quatro minutos, ou em menos tempo, por meios peculiares sem precedentes e métodos de nosso estilo".

A Coreia do Norte critica Seul regularmente e na semana passada renovou sua promessa de lançar "uma guerra santa" sob a alegação que o presidente sul-coreano Lee Myung-bak havia insultado as comemorações do centenário de nascimento do fundador nacional Kim Il Sung, em 15 de abril passado.

As informações são da Associated Press

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do norteameaçaCoreia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.