Exército paquistanês combate Taleban no Vale de Swat

As forças militares do Paquistão entraram na principal cidade em um vale no noroeste do país, onde combatentes do grupo fundamentalista Taleban estão entrincheirados, e engajaram os militantes em uma luta casa por casa, informou neste sábado o porta-voz do Exército do Paquistão.

AE, Agencia Estado

23 de maio de 2009 | 09h39

O major general Athar Abbas também disse aos repórteres que pelo menos 17 supostos militantes do Taleban foram mortos pelo exército nas operações militares das últimas 24 horas. A captura da cidade de Mingora é um passo crítico nos esforços do governo paquistanês para reconquistar o Vale de Swat e evitar que a região continue a ser um santuário para os militantes do Taleban, que ameaçam a estabilidade deste país islâmico.

A operação militar paquistanesa para reconquistar Swat tem o apoio total de Washington. Os insurgentes, a partir do noroeste do Paquistão, também lançam ataques através da fronteira contra tropas norte-americanas no Afeganistão.

Abbas disse que mais de 1.000 supostos militantes foram mortos até agora na ofensiva que já dura um mês, mas é impossível verificar com exatidão os números porque o acesso da imprensa à região é muito restrito pelos militares paquistaneses.

"Os combates nas ruas começaram", disse Abbas. "É uma operação muito difícil porque temos que fazer buscas casa a casa. Nós já ''limpamos'' algumas áreas da cidade", ele disse.

A ofensiva de trinta dias em Swat e nas regiões vizinhas já provocou um êxodo de cerca de 1,9 milhão de pessoas, das quais mais de 160 mil estão em campos de refugiados e as restantes em casas de parentes ou amigos em outras regiões do Paquistão e em habitações alugadas.

Na sexta-feira, a Organização das Nações Unidas (ONU) pediu à comunidade internacional US$ 543 milhões para comprar alimentos e remédios para os refugiados.

Neste sábado, no entanto, o primeiro-ministro do Paquistão, Yousuf Reza Gilani, descartou estender a ofensiva às regiões tribais semiautônomas da fronteira afegã, onde o Taleban tem fortalezas e esconderijos.

Relatos de que o presidente do Paquistão, Asif Ali Zardari, havia dito que a expansão da ofensiva estava em curso, levaram algumas famílias a abandonar a área tribal do Waziristão do Sul, a principal base de Baitullah Mehsud, chefe local do Taleban.

Muitos acreditam que o exército paquistanês não deverá começar operações contra o Taleban em outras regiões antes de derrotar o grupo fundamentalista no Vale de Swat, o que ainda poderá levar meses.

"Nós não seríamos loucos de fazer isso em todos os lugares e ao mesmo tempo", disse Gilani, quando questionado pela imprensa sobre a possível abertura de um segundo fronte.

As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoTalebanofensiva

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.