Exército paquistanês mata 12 supostos membros da Al-Qaeda

O Exército paquistanês lançou sua maior ofensiva até agora contra a Al-Qaeda e outros militantes, matando pelo menos 12 suspeitos e prendendo 10. Um repórter da Associated Press no local viu quatro corpos e o general Ameer Faisal, comandante da operação, disse que outros oito estavam a cerca de 100 metros de distância, em um local muito perigoso.Dez suspeitos da Al-Qaeda, vendados e com as mãos amarradas para trás, foram levados para longe da área. Segundo oficias do Exército, um soldado paquistanês foi morto e dois outros ficaram feridos nos confrontos. De acordo com Faisal, a maioria dos mortos e capturados na operação, no Vaziristão do Sul, aparenta ser de estrangeiros. Acredita-se que Osama bin Laden e o seu lugar-tenente, Ayman al-Zawahri, estejam escondidos em algum ponto ao longo da fronteira entre o Paquistão e o Afeganistão.As áreas do Vaziristão do Sul e do Norte fazem parte da ultraconservadora Província da Fronteira do Noroeste, berço da tribo pashtun, que por séculos manteve-se independente e comunga com os talebans da mesma interpretação do Islã.Maulan Fazl-ur Rahma, político pró-Taleban em Islamabad, condenou a operação. "Essa ação não é do interesse nacional. A Al-Qaeda pode ser contra a América, mas eles certamente não são contra o Paquistão e os muçulmanos", disse. "Essa operação vai gerar uma imagem negativa do Paquistão no mundo árabe".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.