Exército rejeita críticas por atuação no conflito no Líbano

O chefe do Estado-Maior de Israel, Dan Halutz, rejeitou neste domingo parte das críticas feitas na conclusão do comitê de investigação que examinou a atuação do Exército do Estado judeu diante da captura de dois soldados israelenses em 12 de julho, informa a edição eletrônica do jornal Ha´aretz. O general da reserva Doron Almog, que lidera o comitê, apresentou neste domingo as conclusões no fórum do Estado-Maior e criticou a política de contenção do Exército israelense durante os últimos anos, em vez de tomar medidas contra a criação de posições da milícia xiita libanesa Hezbollah ao longo da fronteira do Líbano com Israel. No debate, que durou mais de cinco horas, Halutz argumentou que parte das críticas feitas por Almog sobre o funcionamento das Forças Armadas são infundadas. Segundo participantes do debate, citados pelo Ha´aretz, ocorreu um duro enfrentamento verbal entre Almog e Halutz no encontro. Além disso, pouco antes de o debate começar, o general-de-brigada Gal Hirsh, comandante da 91ª divisão, apresentou sua renúncia. A renúncia ocorre depois das declarações de Almog dos últimos dias, que expressou várias vezes sua opinião de que Hirsh devia encerrar sua carreira militar devido à responsabilidade nos seqüestros. Em sua carta de renúncia, enviada ao escritório do chefe de Estado-Maior na manhã deste domingo, Hirsh menciona a necessidade de as categorias superiores também assumirem sua responsabilidade. O Exército também estuda a possibilidade de Almog investigar outros assuntos sobre a atuação do Estado-Maior frente à captura dos dois militares pelas milícias do Hezbollah.

Agencia Estado,

12 Novembro 2006 | 19h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.