Exército repele ataque do Boko Haram na Nigéria

Tropas nigerianas e por milícias locais conseguiram repelir um ataque massivo das forças do Boko Haram contra maior cidade do nordeste do país este domingo, infligindo uma derrota rara e significativa contra os extremistas islâmicos.

Estadão Conteúdo

01 de fevereiro de 2015 | 19h45

Milhares de combatentes do Boko Haram chegaram a Maiduguri no começo do dia em blindados, tanques, caminhonetes e motocicletas, afirmaram oficiais e testemunhas. Por horas, explosões chacoalharam a cidade, onde moram cerca de 2 milhões de pessoas.

No entanto, ao adentrar na cidade, eles foram recebidos com forte resistência por milícias formadas por moradores locais, armados com machetes e espingardas. O exército nigeriano logo entrou em ação, e perto do meio-dia, centenas de combatentes do Boko Haram haviam morrido, de acordo com relatos de um oficial da segurança do país e um dos líderes de uma das maiores milícias locais.

Embalados por anos de sequestros e assassinatos em massa, o Boko Haram começa agora a atacar alvos maiores do que o seu tamanho. O grupo, que controla uma porção do país do tamanho da Bélgica, recentemente declarou guerra a Camarões. O movimento levou o Chade, que faz fronteira com os dois países, a enviar tropas contra os extremistas também.

O maior número de aliados liberou o exército nigeriano para outras frentes. Recentemente, ele conseguiu libertar a cidade de Michika dos milicianos, e agora tentam reconquistar a cidade de Gwoza. Ainda assim, o Boko Haram não está completamente na defensiva, e tem conquistados algumas áreas.

Este domingo, um homem bomba explodiu a casa de um político na cidade de Potiskum, matando oito pessoas, afirmou o porta-voz da polícia, Danladi Markus.

"É a mesma atitude de sempre do Boko Haram", afirmou um oficial. "É a barbárie. Não há um plano de verdade, eles simplesmente querem explodir tudo e aterrorizar a população. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
NigériaBoko Haram

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.