Exército retoma controle da capital do Congo

Tropas do governo retomaram a maior parte da capital da República Democrática do Congo, Kinshasa, na sexta-feira, 23, depois de um segundo dia de combates com milicianos.A maioria dos homens leais a Jean-Pierre Bemba, candidato derrotado nas eleições presidenciais do ano passado, fugiu do distrito comercial da cidade.Testemunhas dizem que dezenas de corpos crivados de balas foram retirados das ruas e a população recebeu ordem para não sair de casa.Mais cedo, foi expedido mandado de prisão contra Bemba por alta traição.Ele se refugiou na embaixada da África do Sul, e negou estar planejando uma operação militar para depor o presidente Joseph Kabila.Um prazo para que a guarda de Bemba se desarme expirou nesta semana, mas ele deseja garantias adicionais de segurança antes que seus homens deponham as armas.A eleição do ano passado - a primeira eleição livre em 40 anos na ex-colônia belga - transcorreu pacificamente, despertando esperança do fim de anos de conflito e caos administrativo.SaquesO correspondente da BBC em Kinshasa, Arnaud Zajtman, disse que ainda pode ser ouvido tiroteio esporádico, mas os soldados do governo controlam o centro comercial da cidade.Segundo Zajtman, vários supermercados, lojas e residências foram saqueados por tropas do governo.Integrantes da guarda de Bemba foram vistos em fuga, abandonando seus uniformes e se entregando às forças de paz das Nações Unidas (ONU), que permanecem no país.O vice-ministro do Exterior da África do Sul, Aziz Pahad, pediu a todos os lados que interrompam os combates, mas não disse se o ex-líder rebelde será entregue às autoridades congolesas."Sem negociações"O porta-voz do governo da República Democrática do Congo, Toussaint Tshilombo, disse que Bemba usou as Forças Armadas para interesses próprios.Mas o ex-vice-presidente negou desejar depor Kabila e alegou que sua casa foi atacada quatro vezes. "Eu sinto que eles querem me matar", afirmou. Bemba pediu negociações com o governo sobre seu arranjo para segurança.Como ex-vice-presidente no governo de transição, Bemba tem direito a proteção de 15 policiais.Sob um outro acordo assinado antes da eleição, o vitorioso no pleito se comprometia a garantir a segurança do candidato derrotado.Mas o ministro da Informação do país disse que, como o governo foi eleito democraticamente, não havia mais razão para novas conversações.Kabila obteve 58% dos votos e Bemba, 42%, nas eleições de outubro passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.