Exército revê envio de príncipe Harry ao Iraque

Autoridades militares britânicas estão revendo a decisão de enviar o príncipe Harry para o Iraque. Ele é tido como alvo em potencial de ataques insurgentes e o Exército teme pela segurança do príncipe e de seu batalhão, segundo a BBC Brasil.O ministério da Defesa disse que o envio do príncipe sempre esteve em ?constante consideração?, mas que a intenção continua sendo de prosseguir com os planos.A viagem de Harry, o terceiro na linha de sucessão para o trono britânico, está prevista para as próximas semanas. O príncipe, de 22 anos, deverá liderar uma tropa de 11 soldados que realizará trabalhos de reconhecimento e coleta de inteligência usando tanques blindados.SegurançaEm fevereiro o Exército e a Clarence House, a residência oficial do príncipe Charles, confirmaram que Harry seria enviado ao Iraque para exercer o ?papel normal de um comandante de tropa? ao invés de desempenhar uma função burocrática.?Harry teria problemas em aceitar uma decisão de mudar seu papel por razões de segurança e colocá-lo atrás de uma mesa em Basra?, disse o correspondente da BBC para a família real, Peter Hunt.?Ele sempre insistiu que queria servir como um oficial ativo e não ser tratado diferente por causa de seu status.? O príncipe está participando de exercícios de preparação e há relatos de que teria ameaçado deixar o Exército se não puder servir em um confronto.Caso seja mesmo enviado ao Iraque, Harry será o primeiro membro da família real a ser mandado para servir em uma zona de conflito desde que o príncipe Andrew, irmão de Charles, lutou na Guerra das Malvinas, em 1982.Em entrevista à BBC nesta quinta-feira, o primeiro-ministro britânico, Tony Blair, se recusou a comentar o caso, dizendo que ?é uma questão para as Forças Armadas?.RepercussãoFontes do regimento disseram à imprensa britânica que é "uma grande surpresa" que os altos comandantes militares tenham revisto a decisão de enviar Harry, de 22 anos, ao Iraque."Haverá um mal estar no regimento se não o deixarem ir", disse a fonte, que acrescentou que Harry se sentirá mal se não for permitido que ele vá ao Iraque.O príncipe, na categoria de subtenente, deve servir no Iraque em maio como comandante de tropa normal, encarregado de uma unidade de 12 homens e quatro veículos blindados de reconhecimento Scimitar.Texto ampliado às 10:21

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.